campanha sindicalizacao 2021

PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Depois das dificuldades enfrentadas na negociação das cláusulas econômicas da Convenção Coletiva de Trabalho de 2015, a pauta deste ano visa equilibrar as perdas que ocorreram no ano passado. Os jornalistas reivindicam um reajuste conforme o INPC + 1,42% (visto que a Convenção passada foi aprovado um reajuste de 7% contra a inflação de 8,42%) + 3% de ganho real. Essa perda foi resultado de uma ofensiva das empresas no ano passado para colocar a conta da crise nas costas dos trabalhadores.  

Neste ano, mesmo com um cenário difícil, a pauta reflete a necessidade de lutar pela recuperação das perdas e por avanços. O índice aprovado é uma referência para início de negociação, e não o percentual final. Essa margem é fundamental durante o processo uma vez que, em se partindo de uma perspectiva menor (como a reposição inflacionária somente), a redução do pleito inicial pode levar um eventual acordo a ficar muito abaixo da inflação.

Piso e participação nos resultados

No piso, os jornalistas reivindicam aumento de 14,45%, o que faria este mínimo passar de R$ 2.247 para R$ 2.571 para cinco horas diárias de trabalho. Na Participação nos Lucros e Resultados, o pleito é de 50% da remuneração (o salário-base mais as horas-extras contratuais). Atualmente, a PLR é de 35% do salário-base (aquele relativo às cinco horas diárias). O teto previsto é de R$ 3.200 e o piso, de 2.500. Vale lembrar que a PLR vale do período de 1o de abril de 2015 a 31 de março de 2016. Mesmo quem saiu da empresa após essa data tem direito a receber. Quem estava em uma empresa em parte do período também tem direito a receber de forma proporcional. Para fundações sem fins lucrativos o pagamento deve ser feito a título de abono. 

Auxílio-creche e auxílio-alimentação 

A proposta para o auxílio-creche é de valor mínimo de R$ 500 para aquelas empresas que não possuem creches ou convênios. Para os jornalistas que recebem acima deste valor, o reajuste deverá ser conforme o índice do INPC. A pauta também traz, como em anos anteriores, a proposta de que o benefício seja garantido a qualquer jornalista, e não somente à profissional mulher ou ao funcionário homem com guarda compartilhada. 

Em relação ao auxílio-alimentação, os jornalistas pedem o mínimo de R$ 25 por dia. Para aqueles que ganham mais do que isso, o aumento também deverá de acordo com INPC. Na Convenção passada, o auxílio-alimentação foi fechado em R$ 260 reais.

Seguro de Vida e Contribuição assistencial 

Em relação ao seguro de vida, os jornalistas solicitam um aumento de 14,2%. A Contribuição Assistencial será mantida em 1% dos salários. Essa contribuição não se confunde com o imposto sindical (taxa compulsória prevista na CLT cobrada em maio que vai para confederações, federações e sindicatos) nem com a mensalidade sindical. Ela é utilizada para pagar os custos da Campanha Salarial. A Contribuição Assistencial é cobrada somente de associados ao SJPDF mas vale lembrar que os associados em dia podem pedir ressarcimento ao Sindicato. 

Resumo da Pauta

Reajuste - INPC + 1,42% de perda do ano de 2015 + 3% de ganho real

Piso -R$ 2.571
PLR - 50% da remuneração 
    - Teto - R$ 3.200
    - Piso - R$ 2.500
Auxílio-alimentação - Mínimo de R$ 500 por mês (R$ 25 por dia) e, para quem ganha mais do que isso, reajuste segundo o INPC refeição fora de casa
Auxílio-creche - Mínimo de R$ 500 e reposição segundo INPC Educação para quem recebe além desse valor

Seguro de vida – Reajuste de 14,42%l

Contribuição assistencial - R$ 1% para os jornalistas sindicalizados, com direito de recusa para quem é associado em dia.

Cláusulas sociais

1) horas extraordinárias- adicional de 100% e compensação na mesma medida;

2) Licença-maternidadede 180 dias;

3) Licença-paternidadede 30 dias;

5) Garantia de Emprego e estabilidade(multa de 3 remunerações para cada demissão imotivada; jornalista demitido terá o direito a seis meses de plano de saúde contratado e proibição de demitir mais de 5% do setor no mesmo mês)

6) Cláusula de consciência(o direito de se recusar a executar quaisquer tarefas em desacordo com os princípios do Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros (a chamada cláusula de consciência), bem como de não assinar aquela reportagem que julgar ter tido interferência na edição que tenha descaracterizado o texto).

 

 

Receber notícias

O objetivo da data é lembrar a importância de uma comunicação de massa, do jornalismo cidadão, a fim de criar um si… https://t.co/8edM5UtP0g
📲 Saiba mais sobre Antonieta de Barros: https://t.co/yNqSC8hPgM 📷 Foto: G1 / Painel em Florianópolis, inaugurado… https://t.co/g04CwP0AMc

Acesse o Site