campanha sindicalizacao 2021

Notícias
Publicado em Quinta, 18 Agosto 2016 18:50
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Os sindicatos dos Jornalistas do DF e das Empresas do setor (Sinterj/DF) voltaram a realizar nesta quarta-feira, 17/8, mais uma mesa de negociação da Convenção Coletiva de Trabalho dos Jornalistas do DF 2016/2017.  

As empresas não trouxeram nenhuma proposta nova para a negociação e afirmaram que gostariam de ter mais elementos sobre as prioridades elencadas pela categoria na consulta realizada nas redações na última semana.

Os representantes do SJPDF informaram que a categoria sinalizou disposição de aceitar caso houvesse uma oferta patronal com a reposição inflacionária. Ainda segundo a consulta, a categoria identifica nenhuma cláusula social que possa justificar a aceitação da proposta econômica que as  empresas estão oferecendo.

Sobre o levantamento dos itens mais importantes, a categoria apontou o reajuste como prioridade absoluta. Os jornalistas também citaram a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), o piso salarial e o auxílio-alimentação como prioridades. Nas cláusulas sociais, a cláusula da estabilidade, proteção e emprego e de horas-extras.

Uma próxima reunião foi marcada para a próxima semana, no dia 22/8. As empresas comentaram que iniciaram alguns exercícios e os representantes do SJPDF cobraram uma nova contraproposta que avance de fato na negociação.  

Revolta com retirada do retroativo

Durante a reunião de negociação, os diretores do SJPDF afirmaram ser inadmissível a retirada do retroativo e criticaram duramente o fato dos patrões defenderem esse retrocesso em vez de assegurar ganhos à categoria. Eles comunicaram que a proposta deixou os jornalistas revoltados na consulta e que foi cobrada a volta dele por parte das empresas.  

Negociação emperrada

Desde fevereiro, quando foram iniciadas as negociações, os patrões insistem em manter o reajuste irrisório nos salários dos jornalistas. Na última contraproposta apresentada pelos empregadores e que foi amplamente rejeitada pela categoria, os patrões mantêm a oferta de 5% nos salários dos jornalistas.  O único "avanço" da proposta patronal foi o aumento no piso de 5% para 5,5% (confira abaixo a proposta dos patrões e dos trabalhadores).  

Comparação de propostas

   
  Proposta dos trabalhadores Proposta dos Patrões
Reajuste INPC (9,91%) + 1,42% 5% de aumento sem retroativo
Piso RS 2.470 R$ 2.370 (5,5%)
PLR 35% da remuneração  
    - Teto - R$ 2.800
    - Piso - R$ 2.300

35% da remuneração

Teto – R$ 1.350

Piso – R$ 900

Para o jornalista que recebe o piso será garantido o mínimo de R$1.100

Auxílio-alimentação Mínimo de R$ 380 por mês (R$ 19 por dia) e, para quem ganha mais do que isso, reajuste segundo o INPC Sem reajuste no valor mínimo
Auxílio-creche Mínimo de R$ 500 e reposição segundo INPC . Educação para quem recebe além desse valor R$ 450 (7,1%)
Seguro de vida Reajuste de 14,42% Reajuste de 7%
Horas-extras Adicional de 80% e compensação correspondente Manter cláusula atual

Receber notícias

O objetivo da data é lembrar a importância de uma comunicação de massa, do jornalismo cidadão, a fim de criar um si… https://t.co/8edM5UtP0g
📲 Saiba mais sobre Antonieta de Barros: https://t.co/yNqSC8hPgM 📷 Foto: G1 / Painel em Florianópolis, inaugurado… https://t.co/g04CwP0AMc

Acesse o Site