campanha sindicalizacao 2021

PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

O ato realizado em frente ao Correio Braziliense nessa quarta-feira, 14/9, deu início às atividades da semana de mobilização da Campanha Salarial 2016. Nesta quinta, os jornalistas foram convidados a vestir preto para denunciar as propostas dos patrões que contam com a retirada do retroativo, o aumento salarial de 5% (muito abaixo do índice inflacionário) e a redução da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A falta de avanços na negociação das cláusulas sociais também é outro fator negativo dos acordos da Convenção Coletiva de Trabalho dos Jornalistas 2016/2017.

Confira mais sobre a mobilização aqui

Os jornalistas do Correio Braziliense aproveitaram o ato da Campanha Salarial 2016 para reivindicar o repasse integral dos salários dos editores, o não recolhimento do FGTS e problemas com os salários dos estagiários. Durante o ato, os funcionários do Correio lembraram ainda das duas paralisações que foram realizadas em junto pelos trabalhadores. À época, os empregados enfrentavam problemas com o pagamento do retroativo, da PLR, atrasos de salários dos jornalistas free lanceres e do auxílio-alimentação. Com as paralisações, a empresa reagiu e fez a proposta de um acordo com os jornalistas. Com a emissão de debêntures, o Correio pagou as pendências financeiras, restando a regularização do FGTS.

Saiba como participar da semana aqui

Campanha Salarial

A negociação deste ano foi iniciada em fevereiro. Sem avanços, as propostas dos patrões são muito ruins. O Sindicato patronal tem trabalhado com um índice de reajuste muito baixo e avançou pouco nas outras cláusulas econômicas. Os progressos nas negociações das cláusulas sociais também são irrisórios. A última contraproposta dos patrões foi recusada pela categoria, que critica a retirada do retroativo, o reajuste pela metade e a redução drástica dos valores da Participação nos Lucros e Resultados.

Os empresários oferecem reajustes dos salários e do piso (5% e 5,5% de aumento, respectivamente), os empresários também continuaram com a proposta de acabar com o retroativo. Para tentar compensar, o piso da Participação nos Lucros e Resultados passou de R$ 900 para R$  1.150 e foi oferecido um abono de R$ 600 a ser pago até junho de 2017, que, segundo os empresários, compensaria o retroativo retirado.

Os jornalistas lutam por um reajuste de 11,33% (resultado do índice da inflação calculado com base no INPC, de 9,91% mais 1,42% de recuperação de perdas do ano passado). A proposta laboral também prevê piso de R$ 2.470. Na Participação nos Lucros e Resultados (também conhecida como abono), os jornalistas solicitam 35% de aumento, com o teto R$ 2.800 e o piso de R$ 2.300 (Confira o quadro comparativo de propostas abaixo).  

Comparação de propostas

  Proposta dos trabalhadores Proposta dos Patrões
Reajuste INPC (9,91%) + 1,42% 5% de aumento sem retroativo (inclusão de proposta de abono de R$600 a ser pago até junho de 2017)
Piso RS 2.470 R$ 2.370 (5,5%)
PLR 35% da remuneração  
    - Teto - R$ 2.800
    - Piso - R$ 2.300

35% da remuneração

Teto – R$ 1.350

Piso – R$ 1.150

Auxílio-alimentação Mínimo de R$ 380 por mês (R$ 19 por dia) e, para quem ganha mais do que isso, reajuste segundo o INPC Sem reajuste no valor mínimo
Auxílio-creche Mínimo de R$ 500 e reposição segundo INPC . Educação para quem recebe além desse valor R$ 450 (7,1%)
Seguro de vida Reajuste de 14,42% Reajuste de 7%
Horas-extras Adicional de 80% e compensação correspondente Manter cláusula atual

Receber notícias

O objetivo da data é lembrar a importância de uma comunicação de massa, do jornalismo cidadão, a fim de criar um si… https://t.co/8edM5UtP0g
📲 Saiba mais sobre Antonieta de Barros: https://t.co/yNqSC8hPgM 📷 Foto: G1 / Painel em Florianópolis, inaugurado… https://t.co/g04CwP0AMc

Acesse o Site