Notícias
Publicado em Sexta, 26 Abril 2013 17:51
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

As diretorias do Sindicato dos Jornalistas do DF e do Alô Brasília estiveram reunidas nesta semana para tratar de algumas denúncias recebidas pelo Sindicato. Pagamento de salários abaixo do piso e não pagamento do auxílio creche e da Participação nos Lucros e Resultado (PLR) foram alguns dos problemas tratados durante a reunião.

O presidente de jornal, Hélio Queiroz, admitiu o não pagamento do PLR. “O jornal precisa atender as regras estipuladas pelo Acordo Coletivo. O bônus do PLR foi inventado pelo próprio patronato e é um mecanismo utilizado como ferramenta na hora de negociar o ganho real da categoria. Isso é um abono que precisa ser pago”, afirmou Wanderlei Pozzembom, vice-presidente do SJPDF.

Já em relação aos demais pontos, o presidente do jornal afirmou que todos os jornalistas recebem o piso referente a cinco horas de trabalho. Ele apresentou a folha de pagamento dos funcionários e disse que “as pessoas não trabalham mais que as cinco horas e caso isso ocorra nós utilizamos uma escala de folga para compensar o horário”.

Sobre a falta de auxílio creche, Queiroz explicou que o benefício nunca foi solicitado pelos jornalistas e que desconhece alguém que tenha esse direito. “Se for solicitado por alguém, me comprometo inclusive a pagar os retroativos”, afirmou Hélio.

#Convite Na pauta, planejamento de ações, 8 de março e parceria com as universidades. https://t.co/io3e274z16
Na mídia | FENAJ reitera defesa do exercício profissional após declarações do presidente Bolsonaro https://t.co/9NMoN8UBIn via @FENAJ

Receber notícias

Acesse o Site