PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT
A imagem de um fotógrafo de joelhos e em prantos, e depois com uma criança no colo, após um atentado suicida na Síria que deixou 126 mortos, entre os quais 68 crianças, no último sábado (15), vem percorrendo o mundo como símbolo da tragédia que aconteceu a oeste de Aleppo.

Abd Alkader Habak é sírio e estava presente no momento da explosão de um caminhão-bomba que atingiu a caravana de ônibus que tentava sair dos vilarejos Al Fu’ah e Kafarya. O ataque é considerado um dos mais violentos em seis anos e guerra, segundo o L'Express. 

Habak conta à reportagem que estava registrando a tragédia quando vê uma criança precisando de ajuda. Então, ele deixa a câmera de lado e o carrega até a ambulância. Nas imagens, Habak aparece chorando desconsolado ao lado do corpo queimado de uma criança e, em seguida, com outra criança no colo. "Olhei e vi que ele ainda estava respirando, o peguei em meus braços e saí correndo em direção à ambulância. Não sei se ele sobreviveu, eu fiz o que pude. Só sei que ele foi levado ao hospital", relata o fotógrafo.

Em audiência na Comissão de Direitos Humanos, @sjpdf cobra responsabilidade do GDF com a segurança dos jornalistas.… https://t.co/2gJfLXmaya
Sábado é dia de Arraial no @sjpdf. Os jor. sind. em dia não pagarão a entrada e têm direito a um acompanhante.… https://t.co/OnoWSDzHop

Acesse o Site