Notícias
Publicado em Terça, 02 Maio 2017 15:57
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Data que, em todo o mundo, os trabalhadores saem às ruas para lembrar que os direitos que temos não é fruto da bondade dos patrões, e sim conquistas históricas, resultados de muitos enfrentamentos, de muitas greves, de muitas lutas.

Infelizmente, não é dia de comemorações. Diante da atual conjuntura de ataque aos nossos direitos trabalhistas e previdenciários, o 1º de maio é um dia de luta, de reflexão.

No Brasil, esse 1 de maio é especial: vem na sequência de uma Greve Geral vitoriosa, que parou o país por um dia contra as reformas trabalhista e da Previdência e a contra as terceirizações. 

E os jornalistas, como trabalhadores, devem se engajar na luta contra as reformas. Não devemos aceitar a linha editorial dos veículos públicos e privados, que esconderam a greve geral, que não permitem o contraditório dos trabalhadores neste  debate público, e que desejam esta reforma para precarizar a relação de trabalho.

Em 2017, assim como há cem anos - quando aconteceu a primeira greve geral no país-, trabalhadores de diversas categorias, inclusive jornalistas, pararam a produção e saíram às ruas, unidos, para dizer que não aceitarão a retirada de seus direitos.

Viva o 1o de Maio! Viva a luta dos trabalhadores! 

Diretoria do Sindicato dos Jornalistas do DF

Encontro nacional discutirá liberdade de expressão e direito à comunicação. https://t.co/StedCaFbTA https://t.co/hm00K0N8QS
Mídia vandaliza cobertura de ato e legitima uso de Exército por Temer.(Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília)… https://t.co/eyMEAWCUmc

Acesse o Site