Notícias
Publicado em Segunda, 03 Julho 2017 16:04
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Jornalistas do DF participaram de ato em frente à EBC para marcar as mobilizações da segunda Greve Geral realizada na última sexta-feira, 30/6. A participação dos jornalistas do DF foi deliberada em assembleia do Sindicato dos Jornalistas do DF e também em assembleia específica realizada com os empregados da Empresa Brasil de Comunicação-EBC.

Participaram do ato jornalistas, radialistas e militantes da área de comunicação de organizações MST, Fórum Nacional pelo Direito à Democratização da Comunicação (FNDC), Fórum de Mulheres do DF e Entorno e Federação dos Radialistas.  

Os jornalistas levantaram a bandeira contra as reformas da Previdência e trabalhista, e contra a lei de terceirização. Nesta segunda edição da greve, outra pauta aprovada pelas as centrais sindicais foi a solicitação de retirada de o presidente ilegítimo Michel Temer do poder. Os jornalistas também defenderam a comunicação pública.

O SJPDF chama a atenção para o fato das reformas que estão em curso prejudicarem de forma profunda os trabalhadores brasileiros, em especial os jornalistas que há muito tempo encaram condições precárias dentro do setor. Formas de contratações irregulares, jornada de trabalho excessiva, alto índice de assédio moral e sexual e acúmulo de funções são alguns dos problemas enfrentados pela categoria.

“O fato da greve ocorrer exatamente dois dias depois da reforma trabalhista avançar na Comissão de Constituição e Justiça do Senado foi importante para marcar o posicionamento dos trabalhadores. Nós mostramos para o governo que estamos organizados e que não iremos aceitar os ataques advindos das reformas. Vale ressaltar também a importância da união dos jornalistas com as demais categorias no movimento”, afirma Leonor Costa, diretora do Sindicato dos Jornalistas do DF.    

EBC

A entidade alerta ainda que a EBC, desde a posso de Michel Temer, tem sofrido diversos ataques. Por este motivo, o Sindicato vem denunciando perseguições e censuras na empresa pública, responsável pela TV Brasil, Rádio Nacional e Agência Brasil.

Segundo Gésio Passo, coordenador-geral do SJPDF, a "greve geral na EBC também mostra que os jornalistas, além da luta contra a perda de direitos, querem uma comunicação pública autônoma e fortalecida, sem interferência do governo federal".

Dia foi criado em 1992 para ser o marco internacional da luta e da resistência da mulher negra.… https://t.co/NwpX5ZGyF3
2hreplyretweetfavorite
Abertas as inscrições para o curso “Fotojornalismo em situações de crise” com Alan Marques. https://t.co/Ygz7nifhAK https://t.co/hyHIzB4S41
24hreplyretweetfavorite

Acesse o Site