Notícias
Publicado em Quinta, 05 Outubro 2017 16:09
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Um grupo de mulheres jornalistas e especialistas em dados está trabalhando para mudar o cenário da mídia digital no país mais populoso da África, levando maior diversidade de gênero para a comunidade de tecnologia de mídia e aumentando a produção da reportagem de dados.

Fundada em abril de 2017, as Naija Data Ladies trabalham para produzir e promover notícias baseadas em dados sobre questões de saúde e desenvolvimento em grandes salas de redação na Nigéria.

O grupo atualmente possui 10 membros que estão afiliadas a meios de comunicação nacionais, incluindo o Daily Trust, The Nation, PUNCH, Vanguard, The Cable e a Corporação Federal de Rádio da Nigéria - Radio One. Outros membros do grupo são jornalistas nigerianas que trabalham para meios de comunicação internacionais como Al-Jazeera e Voice of America. Suas matérias se concentram em desnutrição, saúde materna, mutilação genital feminina, tráfico de seres humanos e uma série de outras questões críticas que afetam a sociedade nigeriana.

A rede Data Ladies foi construída sob a orientação de Jacopo Ottaviani, bolsista Knight do ICFJ, que trabalha como editor de dados no Code for Africa, uma organização de mídia cívica liderada por uma equipe de bolsistas Knight do ICFJ, com centros regionais no Quênia, Nigéria, África do Sul e Tanzânia.

"A inspiração para a equipe das Naija Data Ladies foi dupla", disse Ottaviani. "Nós nos inspiramos no projeto Chicas Poderosas da ex-bolsista Knight do ICFJ, Mariana Santos, que trabalha para capacitar as mulheres em mídia digital na América Latina. Também fomos impulsionados pela ideia de construir a capacidade e conjuntos de habilidades de jornalistas que já trabalham em salas de redação nigerianas, que podem então disseminar a cultura de dados entre suas colegas."

O objetivo principal das Naija Data Ladies é construir o jornalismo de dados e as habilidades de inovação digital em todo ambiente de mídia da Nigéria. A iniciativa também visa reunir profissionais de mídia de diferentes contextos, a fim de produzir histórias de dados de qualidade que tipicamente tenham um foco de jornalismo de soluções. Através do Code for Africa e do apoio de bolsistas Knight do ICFJ, as Data Ladies recebem treinamento sobre jornalismo de dados, além de assistência tecnológica e micro-doações para apoiar projetos de reportagens de profundidade.

"O Code for Africa conecta as Data Ladies com nossa equipe pan-africana de especialistas que oferece treinamento e suporte em questões como visualização de dados, estratégias de engajamento público, vídeos sociais, jornalismo drone e mais", disse Ottaviani.

A equipe Naija Data Ladies já está produzindo reportagens exclusivas através de suas parcerias com salas de redação. Um bom exemplo é o projeto Shifting Sands pela membro da equipe Data Ladies e jornalista Bukola Adebayo, em colaboração com o Pulitzer Center on Crisis Reporting. O projeto, que analisa os impactos ambientais e socioeconômicos da mineração e dragagem não controlada no litoral de Lagos, na Nigéria, inclui um formato imersivo, filmagens de drone e elementos de jornalismo de dados.

"Ser parte da equipe Naija Data Ladies me tornou uma melhor investigadora de dados para o benefício de nossa audiência", disse Adebayo. "Eu sou capaz de organizar dados complexos de uma forma que os tornam mais relevantes e aplicáveis para a vida de nossos públicos e os engajam de novas maneiras."

Outro exemplo é a parceria da jornalista de rádio Bunmi Yekini com a fotojornalista Flourish Chukwurah, também jornalista de vídeo 360°. As duas estão trabalhando juntas para produzir um pacote multimídia imersivo sobre uma das maiores favelas em Lagos, junto com a Radio One.

Há planos para reproduzir o programa das Naija Data Ladies em todo o continente, criando uma rede pan-africana de jornalistas e especialistas em dados.

"Esperamos inspirar projetos transnacionais de reportagens de dados através da colaboração entre países pelas Data Ladies", disse Ottaviani. "Isso se encaixa muito bem com a missão do Code for Africa e certamente melhorará o conteúdo de notícias no continente."

As Naija Data Ladies são uma comunidade crescente aberta a jornalistas e tecnólogos de mídia que trabalham em meios de comunicação nacionais ou locais ou como freelancers na Nigéria. As interessadas em aprender mais sobre o programa podem entrar em contato com Ottaviani (@JacopoOttaviani) ou a líder do programa Code for Africa na Nigéria, Nkechi Okwuone (@enkayfreda).

Observação: Irene Wangui é consultora de mídia para o Centro Internacional para Jornalistas. 

Foto acima: fotojornalista Flourish Chukwurah (centro) e jornalista Bunmi Yekini (direita) do Radio One em reportagem das Naija Data Ladies em Lagos, Nigéria. Crédito da imagem: Flourish Chukwurah.

Fonte: Rede de Jornalistas Internacionais 

DIAP lança cartilha com perguntas e respostas sobre a Reforma Trabalhista. https://t.co/zpmgKaXj7v https://t.co/1WeCBubmpB
3hreplyretweetfavorite
Já se inscreveu no curso sobre Lei de Acesso à Informação? https://t.co/h7VyYYGmHy https://t.co/cgbYabbLJ5
6hreplyretweetfavorite

Receber notícias

Acesse o Site