Notícias
  • Imprimir
Publicado em Domingo, 19 Novembro 2017 18:39
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Os trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) em Brasília, Rio e SP, em greve desde a última terça-feira, 14/11, reafirmaram por unanimidade, em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira, 17/11, que irão manter o movimento paredista. Os empregados são contra a proposta da empresa de congelamento nos salários, de corte de benefícios e de retirada de direitos.

As mobilizações dos trabalhadores têm ganhado força. Durante a própria assembleia dessa sexta, que contou com grande participação dos jornalistas e radialistas, os empregados não pouparam palavras de ordem para demonstrar suas insatisfações com a postura da empresa.

Segundo os sindicatos, a paralisação conta com cerca de 70% dos trabalhadores do quadro efetivo. “Setores importantes, como as redações da TV Brasil, da Rádio Nacional e da Agência Brasil, por exemplo, aderiram à greve massivamente”, ressaltou Gésio Passos, coordenador-geral do SJPDF e empregado da EBC.

Na assembleia, além de votarem pela continuidade do movimento, os empregados da EBC também repudiaram a posição que a empresa tomou durante a 9ª mesa de negociação, que ocorreu no dia 16/11. A EBC informou às entidades representativas que as negociações estariam suspensas por causa da greve, “Essa foi mais uma prova da intransigência e desrespeito da empresa com os trabalhadores”, afirmou Passos.

Os empregados têm encontrado resistência por parte da empresa em negociar desde quando apresentaram a pauta inicial de reivindicações. A EBC só sentou a mesa de negociação depois de quase um mês da entrega da pauta de reivindicação. Após ter iniciado o processo de negociação, a empresa também tem demonstrado total indisposição em apresentar propostas aos empregados.

Alguns funcionários acreditam que essa falta de vontade de negociar tem relação com os cargos ocupados pelas principais diretores da empresa. “Eles não querem se indispor com o governo porque precisam resguardar os seus grandes salários”, reclamou um dos empregados durante a assembleia.

Durante a assembleia, os trabalhadores aventaram ainda a possibilidade de entrar com uma ação de mediação junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), no entanto, foi deliberado que o assunto voltará a ser colocado em pauta na próxima semana.

Assédio

Os trabalhadores também repudiaram as atitudes de assédio da empresa, que chegou a enviar um e-mail para aqueles que recebem gratificações, no qual informava a perda do benefício caso esses empregados aderissem ao movimento. O e-mail constava que a decisão havia partido do diretor de jornalismo Lourival Macedo.

A assembleia então aprovou o pedido de exoneração imediata de Lourival Macedo do cargo de diretor de jornalismo

Na último mesa de negociação, o representante da EBC informou que desconhece a informação e que a "concessão ou retira de qualquer gratificação não está vinculada em nenhuma hipótese ao exercício do empregado do seu direito constitucional de aderir à greve".

Entenda o que está em jogo

A data-base dos jornalistas e radialistas é 1º de novembro. Os trabalhadores reivindicam 4,5% de reajuste para repor a inflação do período e perdas acumuladas. Porém, após oito rodadas de negociação, a direção da EBC não aceita reajustar nenhuma das cláusulas econômicas. Além dos salários, os trabalhadores ficariam sem reajuste em benefícios como ajuda-alimentação, auxílio às pessoas com deficiência, auxílio-creche e seguro de vida em grupo.

No 'pacote de maldades' da empresa também estão ataques aos tickets extras (pago somente em dezembro e junho), à garantia de translado aos trabalhadores por questões de segurança, à complementação de auxílio previdenciário, à realização de homologações das rescisões de contrato nos sindicatos, ao vale-cultura, à multa pelo descumprimento do acordo coletivo.

Agenda da Greve

Na próxima segunda-feira, 20/11, os trabalhadores irão realizar um debate às 10h30 sobre comunicação, racismo e liberdade religiosa. A tarde ocorrerá um sarau de música e poesia pretae um apitaço às 15h. Na terça-feira, às 13h, ocorrerá mais uma assembleia.