PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Trabalhadores estão dispostos a suspender o movimento sob duas condições: abono dos dias parados e manutenção da vigência do ACT atual enquanto a negociação ocorrer.

Assembleia dos trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) realizada nesta quarta-feira, 22/11, votou, novamente, pela manutenção da greve. Diferente das outras assembleias já ocorridas durante os nove dias de paralisação, os empregados, desta vez, avaliaram a proposta de suspensão do movimento que foi apresentada nessa terça-feira (21) pelo ministro Emmanoel Pereira, vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho – TST.

O ministro propôs que fosse votada em assembleia a suspensão da greve a partir desta quinta-feira, 23/11, até a próxima terça-feira (28), como condição para construir, com os empregados, a empresa e a União um acordo referente à norma coletiva.

Essa proposta surgiu em reunião que foi solicitada pelas entidades representativas dos trabalhadores ao TST após a empresa entrar com o pedido de dissídio e revisão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

O encontro ocorreu no fim da tarde dessa terça (21) e serviu para os sindicatos esclarecerem os principais motivos que levaram os trabalhadores deflagrarem a greve (veja abaixo) e também para demonstrar a indisposição da direção da EBC em negociar.

Resultados da assembleia

Com a duração de aproximadamente três horas, a assembleia dos trabalhadores revisou a proposta do vice-presidente do TST e retirou uma contraproposta. Apesar da decisão de manutenção da greve, os empregados decidiram que estão dispostos a suspender o movimento paredista para negociar sob duas condições: se a empresa abonar os dias parados e se mantiver a vigência do ACT atual enquanto a negociação ocorrer.

“Os trabalhadores estão dispostos a construir o caminho para o acordo, mas a empresa também tem que demonstrar que quer ir nesse sentido”, afirma Gésio Passos, coordenador-geral do SJPDF.

A proposta dos trabalhadores será apresentada ao ministro. Caso seja aceita, a suspensão da greve ocorrerá a partir de segunda-feira, 27/11.

Uma nova assembleia para discutir os próximos passos do movimento ocorrerá na sexta-feira, 24/11, às 13h.

Entenda mais sobre a greve

Em greve desde o dia 14 de novembro, os empregados das praças de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro decidiram deflagraram o movimento por causa das propostas da empresa  de congelamento nos salários, corte de benefícios e retirada de direitos.

A data-base dos jornalistas e radialistas é 1º de novembro. Os trabalhadores reivindicam 4,5% de reajuste para repor a inflação do período e perdas acumuladas. Porém, após oito rodadas de negociação, a direção da EBC não aceita reajustar nenhuma das cláusulas econômicas. Além dos salários, os trabalhadores ficariam sem reajuste em benefícios como ajuda-alimentação, auxílio às pessoas com deficiência, auxílio-creche e seguro de vida em grupo.

No 'pacote de maldades' da empresa também estão ataques aos tickets extras (pago somente em dezembro e junho), à garantia de translado aos trabalhadores por questões de segurança, à complementação de auxílio previdenciário, à realização de homologações das rescisões de contrato nos sindicatos, ao vale-cultura, à multa pelo descumprimento do acordo coletivo.

Correio Braziliense anuncia que irá congelar férias dos funcionários. https://t.co/wpBmDokzEh https://t.co/yHaQLIFFMr
DF será representado por cinco delegados no Enjai e no Congresso Extraordinário dos Jornalistas - SJPDF.… https://t.co/9MGSVGb5QN

Receber notícias

Acesse o Site