banner sindi 55

PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

O governo federal decidiu suspender, oficialmente, a tramitação da Reforma da Previdência. Na última terça-feira (20), o presidente do Senado e do Congresso Nacional, Eunício Oliveira (MDB-CE), determinou que qualquer Proposta de Emenda à Constituição (PEC), inclusive nas comissões temáticas, não pode tramitar enquanto estiver em vigor a intervenção federal na área de segurança no Rio de Janeiro, prevista para até 31 de dezembro deste ano.

Não há dúvida que esse recuo do presidente Michel Temer e sua base de apoio no Congresso Nacional é resultado da luta dos trabalhadores, que durante todo o ano de 2017 realizaram diversas mobilizações país a fora, com paralisações, greves, atos públicos e pressão em cima dos parlamentares. Embora governo tenha utilizado a desculpa da intervenção para suspender a Reforma, é fato que o verdadeiro motivo é a falta dos votos necessários para aprovar a PEC 287/2016.

Mesmo comprando parlamentares, perdoando dívidas de banqueiros, empreiteiras e do agronegócio e jogando a população contra os servidores públicos, o Palácio do Planalto não conseguiu reunir votos suficientes para emplacar essa famigerada reforma em dois turnos na Câmara e no Senado. Isso é fruto do trabalho realizado por entidades sindicais, dentre elas o Sindicato dos Jornalistas do DF, que participou das diversas mobilizações unificadas.

O Sindicato destaca, no entanto, que é preciso manter a mobilização para derrotar, definitivamente, essa proposta que ameaça o direito à aposentadoria. "A suspensão foi uma grande vitória da classe trabalhadora e demonstra que é possível, com organização da luta e diálogo com a sociedade, barrar os ataques aos nossos direitos. No entanto, precisamos nos manter alertas e em luta, pois há vários projetos em tramitação no Congresso que também tratam de direitos de aposentadoria e podem ser pautados a qualquer momento", ressalta a coordenadora geral, Renata Mafezzoli.

“A diretoria do SJPDF entende que essa luta não pode parar, uma vez que a reforma não foi arquivada, mas apenas suspensa. Não é possível confiar nas palavras de um governo que espalha mentiras, colocando um setor da população contra o outro e insistindo na falácia de que a Previdência é deficitária. Vamos seguir unidos às outras categorias de trabalhadores, para barrar esse que é um dos maiores ataques aos nossos direitos”, completa Leonor Costa, coordenadora de comunicação.

Jornalistas que trabalham com redes sociais devem ficar atentos ao crescimento do Instagram. Plataforma chegou a 1… https://t.co/3BnUY0okST
6hreplyretweetfavorite
Faltam 15 dias! Garanta o seu ingresso. https://t.co/BlnQluOo5N

Receber notícias

Acesse o Site