Notícias
Publicado em Terça, 30 Outubro 2018 20:25
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

A Appris Editora e a autora Ismália Afonso lançam, na quinta-feira (8/11), o livro Nem trabalha nem estuda? Desigualdade de gênero e raça na trajetória das jovens da periferia de Brasília. A publicação joga luzes sobre como se construíram os caminhos de mulheres que estão fora da educação formal e do mercado de trabalho. O livro faz isso a partir das experiências e percepções compartilhadas por mais de 30 mulheres com a autora durante sua pesquisa de mestrado. Organizadas em grupos de discussão, nas cidades de Ceilândia, Estrutural e Planaltina, na periferia do Distrito Federal, essas mulheres com idade entre 18 e 29 anos ajudaram a pesquisadora a desvendar o que está por trás do fato de representarem a maior parte do grupo chamado “jovens nem-nem”.

Interessada no tema que tem mobilizado cientistas sociais de todo o mundo, principalmente na segunda década dos anos 2000, Ismália Afonso optou por ir além da frieza dos números. Foi ouvir o que as próprias jovens tinham (e têm) a falar de sua realidade. Nesse sentido, o livro arrisca-se a duas ousadias. A primeira delas é aproximar os temas de gênero e juventude. Sujeitos jovens – tanto nas pesquisas como nas políticas públicas – são, em geral, tratados como indivíduos universais, sem que suas vidas fossem marcadas por estruturas de opressão que definem papeis sociais para uns, umas, outros e outras. A segunda ousadia de Nem trabalha nem estuda? está em reconhecer as vozes das mulheres jovens periféricas como recurso mais potente para compreensão desse fenômeno. E que potência!

O livro coloca em xeque o conceito "nem-nem”, que vem sendo amplamente utilizado para se referir a essa parcela da juventude. Forjado a partir de um referencial androcêntrico (centrado no padrão masculino), que reconhece valor apenas em atividades remuneradas, realizadas primordialmente por homens, o termo contribui para a invisibilidade do trabalho feminino. E mais do que isso, reforça as políticas como estão colocadas hoje, que exploram economicamente o trabalho dessas mulheres na medida que negam o apoio que deveriam garantir para o cuidado de crianças, adultos e idosos.

SERVIÇO

Lançamento do livro Nem trabalha nem estuda? Desigualdade de gênero e raça na trajetória das jovens da periferia de Brasília, de Ismália Afonso
Quando: quinta-feira, 8 de novembro, às 19h
Onde: Sebinho Cult (SCLN 406, bloco C)
Preço: R$ 46,00 (dinheiro e transferência bancária)
Editora: Appris Editora
Coleção: Educação e Direitos Humanos: Diversidade de Gênero, Sexual, Étnico-Racial e Inclusão Social

A autora

Ismália Afonso nasceu em 1979, é mestra em Gênero, Sociedade e Políticas pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) da Argentina, especialista em Políticas Públicas pela Universidade de Brasília (UnB) e jornalista. Para a conclusão do mestrado, em 2016, apresentou pesquisa sobre a trajetória escolar e laboral das mulheres jovens que vivem em cidades da periferia do Distrito Federal (Brasil). Atuou mais de 15 anos como jornalista na comunicação pública, tempo em que se dedicou a políticas de educação, igualdade racial, Direitos Humanos, HIV/aids, sempre destacando aspectos de gênero e raça que estruturam as relações sociais.Desde 2017, trabalha com advocacy e gestão de projetos da cooperação internacional nas temáticas de gênero e raça.

Realizado em parceria com a jornalista Polianna Franco, editora do jornal Ceilândia em Foco, evento é destinado a j… https://t.co/vbrLDDSBdR
Marielle Franco, assassinada há exatos 8 meses, sabia exatamente da importância da comunicação pública para o país.… https://t.co/tubeQQZgaG

Receber notícias

Acesse o Site