PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Os jornalistas do Correio Braziliense entrarão em 2020 com uma agenda de lutas que dá sequência à mobilização incessante de 2019. Foi apenas nessa segunda-feira (23/12) que a redação recebeu o 13o salário, cuja primeira parcela foi quitada no fim da semana anterior. Como foi ao longo de todo o ano, os trabalhadores do Correio realizaram mais uma assembleia, dessa vez em pleno recesso de Natal, e mantiveram a disposição de ir à greve para exigir seus direitos - sempre com o empenho da Comissão de Redação e a presença do Sindicato dos Jornalistas.

Diante da pressão dos trabalhadores, que deliberaram pela deflagração de uma paralisação caso o 13o não fosse pago em sua totalidade para todos a redação, a Empresa quitou essa pendência.

 No entanto, o ano novo começa com uma grande lista de demandas: persiste o atraso crônico no pagamento de salários e benefícios aos editores (que receberam, agora, o 13o de 2018!); a empresa acumula nove meses de atraso no pagamento do abono de férias e seis meses nos créditos do vale-refeição; além disso, há mais de cinco anos, os depósitos do FGTS são feitos de maneira esporádica.

Assim, no Correio, a pauta dos jornalistas em janeiro seguirá sendo a luta.

 

 

Na mídia | FENAJ reitera defesa do exercício profissional após declarações do presidente Bolsonaro https://t.co/9NMoN8UBIn via @FENAJ
19hreplyretweetfavorite
RT @RodrigoMaia: A denúncia contra o jornalista @ggreenwald é uma ameaça à liberdade de imprensa. Jornalismo não é crime. Sem jornalismo li…

Receber notícias

Acesse o Site