bannertopsindicalizacao

Notícias
Publicado em Quarta, 27 Março 2019 16:56
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro orientando as Forças Armadas a comemorarem o golpe militar de 1964, várias organizações se uniram para repudiar mais um desmando de Bolsonaro e denunciar a herança maldita que a ditadura deixou para o Brasil e o povo brasileiro. No DF, o ato Ditadura Nunca Mais! Será realizado neste domingo (31), no Eixão Norte (altura da 108), a partir das 9h. O dia 31 de março marca os 55 anos do início da ditadura no Brasil, finalizada em 1985.

“Não há nada a comemorar, e muito a denunciar! A ditadura foi torturadora, assassina, entreguista e elitista! Foram anos de repressão, inflação, arrocho salarial e retirada de direitos do povo. Não esqueceremos, para que nunca mais aconteça!”, afirma o dirigente da CUT Brasília, Yuri Soares.

ditadura

Além da CUT, estão na organização do ato a CMP (Central de Movimentos Populares), a Frente Brasil Popular, a Frente Povo Sem Medo, PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB.

Um evento foi criado no Facebook da CUT Brasília. Confirme sua presença acessando http://bit.ly/AtoDitaduraNuncaMais

Como desmascarar a ditadura

“Milagre” econômico – Os que defendem a ditadura militar no Brasil constantemente afirmam que os 21 anos de repressão, morte e tortura foram marcados na verdade por um forte crescimento econômico, conhecido como “milagre econômico”. O dado que se mostra é de que a taxa média de crescimento nesse período girava em torno de 10% por ano. Mas a que custo? Especialistas em economia afirmam que o período da ditadura deixou como herança para o Brasil questões como o endividamento do setor público e o aumento da desigualdade social.

Fim da corrupção

Os entusiastas do regime militar também afirmam que o período de 21 anos foi marcado pela ação transparente e da probidade. Ao contrário, o período da ditadura militar foi um dos mais corruptos da história do país. E isso só não foi amplamente divulgado porque veículos de comunicação eram impedidos de publicar qualquer coisa contra o governo.

Um dos casos de corrupção cometidos durante a ditadura foi a cobrança de propina por parte de Delfim Netto, o pai do milagre econômico, então ministro da Fazenda, em obras de engenharia e financiamento para equipamentos de usinas hidrelétricas. Delfim sempre negou a acusação. O caso é relatado no livro Estranhas Catedrais: As Empreiteiras Brasileiras e a Ditadura Civil-militar, 1964-1988, escrito pelo professor Pedro Henrique Pedreira Campos, do Departamento de História e Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Controle da inflação

O tão falado controle da inflação foi feito durante a ditadura militar à custa das classes mais baixas e dos trabalhadores, que tiveram seus salários achatados. Com a mudança da fórmula de cálculo dos salários, que passou a ser feito pela inflação, o salário mínimo caiu 50% em valores reais entre 1964 e 1985. Foram precisos 30 anos para recuperar o poder salarial dos mais pobres.

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e da UnB mostra que o 1% mais rico da população detinha entre 15-20% de toda a renda do país. No fim da ditadura, passou a controlar quase 30%.

A inflação, que foi controlada no início, explodiu na segunda metade do regime. Em 1985, o índice anual já batia 231%. Quatro anos depois, durante o governo Sarney, eleito indiretamente pelo Congresso, a inflação chegou a quase 2.000% em 12 meses.

Educação e saúde pública de qualidade

Durante a ditadura militar, foi abolido o investimento público mínimo no setor da educação e os militares abriram o ensino para a iniciativa privada, principalmente no ensino superior. As alterações foram feitas pela Constituição de 1967.

Sem verba para o setor público, a formação de novos docentes ficou prejudicada, os salários e as condições de trabalho de professores se desmantelaram e o ensino teve uma queda abrupta de qualidade.

Na área da saúde não foi diferente. No governo militar, o número de hospitais com fins lucrativos foi de 944 para 2.121, causando a precarização do serviço público de saúde, utilizada principalmente pelos mais pobres.

Mais emprego 

As obras conduzidas pelo governo dos militares renderam mais emprego para o Brasil. Entretanto, com a intervenção dos militares sobre os sindicatos, diminuiu o poder de negociação das organizações que representam os trabalhadores e, consequentemente, houve arrocho salarial. A redução dos salários diminuiu também o custo de mão-de-obra, causando facilidade para que empresários contratassem novos trabalhadores.

Morte de “vagabundos” 

É comum pensar que os mortos pela ditadura foram líderes sindicais e de movimentos políticos e sociais. Entretanto, o regime militar, também realizou o seqüestro, prisão e tortura de crianças. Os filhos de suspeitos de envolvimento na luta contra o regime militar eram fichados como “elementos subversivos” pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). É o caso de Ernesto Carlos Dias do Nascimento, de um ano e três meses de idade, preso junto com os irmãos de 4, 6 e 9 anos, todos filhos de um casal ligado à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) de Carlos Lamarca.

Ainda são inúmeros os casos de mulheres e homens que foram estuprados nas prisões, mulheres grávidas que foram torturadas e obrigadas a parir dentro das prisões, em condições totalmente insalubres.

Segundo o relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), de 2014, foram reconhecidos oficialmente 434 mortos e desaparecidos políticos no Brasil entre 1946 e 1988, a maioria após 1964, quando iniciou a ditadura no Brasil. Mas o próprio relatório indica que esse número vai muito mais além, já que não se tem o número de vítimas indiretas, torturados que sobreviveram e mortos que jamais foram contabilizados, especialmente os indígenas.

Fonte: CUT Brasília, com informações da BBC Brasil

A direção da emissora informou que irá fechar as portas no dia 30/6. Os Sindicatos notificaram a empresa solicitand… https://t.co/Gasu9TGFcj
O Sindicato dos Jornalistas do DF repudia mais esse ataque de Bolsonaro ao exercício profissional dos jornalistas e… https://t.co/XhZ0XTFfjk

Receber notícias

Acesse o Site