Notícias
Publicado em Sexta, 29 Maio 2020 12:45
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Na quinta-feira (21), diretoras do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito federal se reuniram com representantes da CNN para dialogar sobre uma série de questionamentos enviados pela entidade à empresa. Alguns pontos abordados foram resultado de denúncias recebidas através da ouvidoria do SJPDF.

O Sindicato levantou preocupação quanto a forma como estaria sendo montada a escala de trabalho regular e plantões, o prazo de comunicação dos mesmos aos trabalhadores, o registro das horas extras e forma de pagamento, e ainda modelos de contrato de apresentadores, repórteres e cinegrafistas.

Segundo a empresa, por ter inaugurado pouco antes da pandemia, algumas questões como escalas de trabalho ainda estavam sendo estruturadas, mas que seriam seguidas as prerrogativas previstas na Convenção Coletiva de Trabalho do DF, de seis dias de trabalho para um de descanso.

Em relação aos contratos dos repórteres cinematográficos, que teriam sido registrados com outra função pela empresa terceirizada Paris Filmes, a CNN se responsabilizou em colaborar e cobrar de sua contratada a regularização dos mesmos. O SJPDF reforçou que, embora os profissionais sejam terceirizados, a CNN tem responsabilidade solidária em relação aos contratos de seus trabalhadores.

Foi alertado também para a necessidade de cumprimento da hora de descanso, o limite de horas trabalhadas diariamente e também respeito à jornada de seis dias de trabalho, uma vez que o estresse por conta da sobrecarga pode afetar a imunidade dos trabalhadores, deixando-os mais expostos à Covid-19 e outras doenças.

A empresa se comprometeu ainda em enviar ao sindicato, por escrito, as respostas a todas as questões abordadas. “Nós seguimos no aguardo desse retorno e também vigilantes para que sejam garantidos os direitos dos trabalhadores e mantidas boas condições de trabalho. Pedimos aos colegas que nos ajudem nessa fiscalização”, explicou Juliana Cézar Nunes, coordenadora-geral do SJPDF.

A entidade também oficiou a Paris Filmes para ter informações sobre os contratos dos repórteres cinematográficos, mas até o momento não obteve retorno.

 

Mais uma chance, jornalista! Nossa pesquisa para mapear a saúde no DF repercutiu bem, mas precisamos de mais respos… https://t.co/jTSRJCAP29
Queremos que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos… https://t.co/rOuy7dqrAZ

Receber notícias

Acesse o Site