assembleia unificiada

PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Uma das principais referências para o jornalismo político brasileiro completa 100 anos de nascimento nesta quinta-feira (25). Piauiense de Teresina, Carlos Castello Branco trabalhou nos Diários Associados, no Diário Carioca e na revista O Cruzeiro. Jornalista e escritor, chegou a ser nomeado secretário de imprensa no breve governo de Jânio Quadros. Depois, seguiu carreira no Jornal do Brasil. Fez parte da Academia Brasileira de Letras e da Academia Piauiense de Letras. Morreu aos 72 anos, em 1993.

Castelinho esteve à frente de uma das mais famosas colunas sobre política publicada no JB, onde desvendava os bastidores do poder em plena ditadura militar. Também foi presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF, cujo prédio leva seu nome em homenagem à defesa da categoria durante os anos de chumbo.

Para celebrar o centenário de Carlos Castello Branco, o Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal e a ABI - Associação Brasileira de Imprensa - Página exclusiva realizam hoje um debate virtual sobre Jornalismo e Democracia. Entre os convidados estão o neto do jornalista, o professor Carlos Mateus Castello Branco, e os jornalistas Hélio Doyle, diretor da ABI em Brasília, e Armando Sobral Rollemberg, ex-presidente da Fenaj e colega de Castelinho no Jornal do Brasil.

“Essa é a primeira de uma série de homenagens que pretendemos fazer para divulgar o legado do Castelinho e também inspirar as novas gerações do jornalismo a entender como o livre exercício da nossa profissão é fundamental para a democracia brasileira”, destaca a coordenadora-geral do sindicato, Juliana Cézar Nunes, que fará a mediação do debate desta noite.

O jornalista Hélio Doyle lembra a importância de Carlos Castello Branco para a luta sindical. “Sendo o mais importante jornalista político brasileiro, Castello teve a grandeza de compreender o momento em que vivíamos e aceitou ser candidato a presidente do nosso sindicato. Seu prestígio e credibilidade foram fundamentais para retomarmos o sindicato subserviente à ditadura e o engajarmos nas lutas pela democracia e pelas liberdades políticas”, ressalta Doyle.

Em entrevista para o projeto 100 anos de Carlos Castello Branco, criado pela família, a jornalista Cristina Lôbo definiu Castelinho como principal referência da sua geração. “Ele nos ensinou com sua pena firme e ao mesmo tempo suave como contar o que havia de importante na política. Isso no tempo da ditadura, da censura”, lembra Cristina, que se orgulha de ter a primeira carteira de jornalista assinada pelo agora centenário mestre.

A homenagem e o debate desta noite serão transmitidos nos perfis do facebook, twitter e Youtube do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF. O facebook da ABI também fará a transmissão, que começa às 21h.

*Foto: Acervo Pessoal

indice105

Trabalhadores (as) da EBC PARAM POR 1 DIA contra PCR apresentado pela empresa -> A proposta de Plano de Carreiras e… https://t.co/M3XkY0lMGC
5hreplyretweetfavorite
O momento é grave, pede união e um Sindicato forte! Para quem está inadimplente e quer regularizar, é só efetuar o… https://t.co/5mcjynUBSp
6hreplyretweetfavorite

Receber notícias

Acesse o Site