Notícias
Publicado em Terça, 22 Junho 2021 12:32
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

 

As Comissões de Mulheres dos Sindicatos dos Jornalistas nos estados do Pará e Ceará, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, os Sindicatos dos Jornalistas do Tocantins e Paraná, a Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa da OAB-PA, a Frente Feminista do Pará e o Coletivo Firminas de Jornalismo Independente e Feminista, entre outras entidades, REPUDIAM a conduta do Presidente da República JAIR MESSIAS BOLSONARO durante entrevista concedida em Guaratinguetá, SP, nesta segunda, 21 de junho de 2021.

Na ocasião, em uma cerimônia de formatura da Escola de Especialistas da Aeronáutica (EEAR), o presidente tirou a máscara de proteção contra a Covid-19, intimidou a repórter Laurene Santos, da TV Vanguarda, afiliada da Globo em São Paulo e mandou a profissional calar a boca.

É muito importante destacar que apesar do tratamento constrangedor ser uma marca da conduta do atual presidente, principalmente no trato com as mulheres, as entidades que assinam essa carta não vão jamais naturalizar que uma jornalista mulher, no exercício da sua profissão, seja constrangida dessa forma degradante e ofensiva. Laurene, assim como todas nós, sai de casa todos os dias pra trabalhar, exercer sua profissão com dignidade, e dessa forma sustentar sua família e pagar suas contas.

Laurene, cada uma de nós que subscrevemos essa nota somos SOLIDÁRIAS com você e nos sentimos constrangidas e indignadas junto com você nesse episódio LAMENTÁVEL. Nem você, nem nenhuma jornalista mulher merece ser tratada dessa forma no exercício da sua profissão, muito menos por um Presidente da República, servidor público que tem por obrigação servir o povo da melhor forma possível.

O tratamento humilhante contra mulheres é um importante elo de fortalecimento e manutenção da dinâmica patriarcal, que determina uma realidade de assédio físico, psicológico, moral, sexual e patrimonial, num país que é o quinto do mundo em número de feminicídios. Esse tipo de situação não pode, nem deve se repetir. É ofensivo e anacrônico.

Nesse sentido, por se tratar de um PRESIDENTE DA REPÚBLICA, as entidades signatárias dessa nota:

Consideram importante que O GABINETE DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA emita nota ou pedido de desculpas nas redes próprias;

Consideram fundamental que O GABINETE DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA realize um amplo programa de combate ao machismo entre os funcionários do Gabinete, para evitar que situações como essa voltem a se repetir.

Atenciosamente,

Comissão de Mulheres do SINJOR Pará
Comissão de Mulheres do SINJOR Ceará
Comissão de Mulheres do SINJOR Bahia
Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná
Sindicato de Jornalistas do Distrito Federal
Núcleo de Diversidade e Gênero do Sindjor RS
Coletivo de Mulheres Jornalistas do DF
Sindicato dos Jornalistas do Paraná
Sindicato dos Jornalistas do Tocantins
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro
Sindicato dos Jornalistas do Estado do Rio de Janeiro
Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa da OAB-PA
Rede Lume de Jornalistas independentes
Frente Feminista do Pará
Coletivo Firminas de Jornalismo Independente e Feminista

Receber notícias

A PEC 32 não é só uma 'granada no bolso do servidor', é uma bomba atômica contra o Brasil #PEC32ContraoBrasil https://t.co/SkS7G4nh7H
7hreplyretweetfavorite
A reforma Administrativa não reduz a despesa pública, não diminui impostos nem taxas públicas, ela apenas facilita… https://t.co/LIu5hmCcNw
7hreplyretweetfavorite

Acesse o Site