Notícias
Publicado em Segunda, 30 Agosto 2021 21:22
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Os Sindicatos dos Jornalistas e dos Radialistas do Distrito Federal, de São Paulo e do Rio de Janeiro, em conjunto com a Comissão de Empregados da EBC, enviaram esta semana ofício para a empresa solicitando suspensão e reformulação das normas que regulam o retorno ao trabalho presencial na pandemia. O objetivo é evitar riscos desnecessários e garantir a segurança à saúde de todos.

As entidades defendem a volta ao trabalho remoto de todas as pessoas cuja presença física não seja estrita e justificadamente necessária — principalmente as pessoas idosas, com comorbidades, gestantes e com filhos de até dois anos.

Para as pessoas cujo trabalho presencial seja justificadamente incontornável, a empresa deve fornecer máscaras adequadas e em número suficiente. É necessário também exigir que os gestores sigam os protocolos e zelem por seu cumprimento nas áreas sob sua responsabilidade, e punir aqueles que não cumpram estas exigências.

Tais medidas são necessárias até que, pelo menos, as novas descobertas científicas sobre a perda de eficácia das vacinas a médio prazo e seus impactos sobre o Plano Nacional de Imunização sejam esclarecidos.

As sedes da EBC em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro têm ventilação natural insuficiente em vários ambientes e muitos setores tiveram o espaço de trabalho reduzido, aumentando assim o confinamento e a aglomeração involuntária.

A empresa também recebeu ofício cobrando a instalação de divisórias de acrílico entre as estações de trabalho na praça Rio de Janeiro, a exemplo do que foi feito em Brasília e em São Paulo.

A EBC nunca proporcionou testagem em número suficiente para fazer o efetivo rastreio dos casos de Covid-19. Além disso, a empresa definiu um protocolo temerário que exige o trabalho presencial antes do resultado dos testes para a Covid-19, que se mostrou um risco em casos concretos.

Os protocolos sanitários definidos pela empresa não são eficazes para garantir a segurança dos trabalhadores e se tornam ainda menos eficazes no combate à variante Delta.

No atual estágio da pandemia, cada novo contágio dentro da empresa prova que a volta ao regime presencial é um erro. Manter a determinação de retorno seria insistir neste erro, diante do avanço da nova cepa e dos novos entendimentos sobre a imunização.

Em se mantendo as mesmas diretrizes, a empresa demonstra enorme descaso pela vida das pessoas que a constroem e assume a responsabilidade pelo contágio e possível morte de empregados e seus familiares.

Sindicato dos Radialistas DF, RJ e SP
Sindicato dos Jornalistas DF, Rio e SP
Comissão de Empregados da EBC

Receber notícias

Pela vida de todas as mulheres e pelo direito de decidirmos sobre nossos corpos, queremos: Educação sexual para dec… https://t.co/VdCDdKJaE0
2hreplyretweetfavorite
No Brasil, são cerca de 1 milhão de abortos ilegais por ano. A criminalização não impede que aconteça, mas faz com… https://t.co/sXTtUJMZkO
2hreplyretweetfavorite

Acesse o Site