Notícias
Publicado em Quinta, 29 Dezembro 2022 11:27
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Mais de 100 entidades da sociedade civil e associações acadêmicas assinaram manifesto defendendo que o novo governo reconheça o caráter estratégico da área das comunicações e indique para a pasta do setor quadro comprometido com uma agenda democrática para o setor. 

 

"Saímos de mais uma eleição em que ficou nítida a influência da mídia e das plataformas digitais no debate público. A partir desses espaços, o bolsonarismo foi urdido, alcançou a Presidência da República e criou um sistema político e cultural que, à base de muita desinformação, segue ameaçando a democracia. Para mudar esse cenário, é preciso encarar as comunicações como estratégicas, não como moeda de troca política", diz o texto.

 

A carta indica que a possibilidade do nome do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) foi recebida com alegria. "Se queremos enfrentar o fascismo, não podemos abrir mão da disputa da comunicação. E isso significa manter o Ministério das Comunicações no campo progressista", conclui o manifesto. 

Entre as entidades da sociedade civil estão o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), a Rede Nacional de Combate à Desinformação (RNCD) e movimentos sindical (Central Única dos Trabalhadores), do campo (Movimento de Mulheres Camponesas), e LGBTQIA+ (ABGLT), entre outros. Entre as associações acadêmicas estão as principais da área das comunicações: Socicom, Intercom e Compós. O texto foi endossado por mais de 250 profissionais, pesquisadores e ativistas das comunicações e de outras áreas.

Leia aqui a íntegra do manifesto 

Receber notícias

CONVITE O estudo Worlds of Journalism integra mais de 200 pesquisadores, com uma experiência de 15 anos em pesquis… https://t.co/Arw87PhDG6
RT @FENAJoficial: Brasil registra uma agressão a jornalista por dia em 2022 https://t.co/i8WyOXSc0U via @FENAJ

Acesse o Site