Em Destaque
Publicado em Quarta, 05 Maio 2021 21:03
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Passado um mês desde a data-base dos jornalistas, e ao fim de duas reuniões com o sindicato patronal, as negociações para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria seguem na estaca zero. A proposta inicial do Sindicato dos Jornalistas do DF (SJPDF) tem como ponto central o reajuste dos salários pela inflação anual apurada em 31 de março mais 2,9% - correspondentes a metade das perdas salariais acumuladas.

Como no ano passado, o sindicato patronal invocou as dificuldades econômicas decorrentes da pandemia e alegou ser impossível discutir cláusulas econômicas por agora. Contrapôs a ideia de adiar as negociações sobre reajuste para dentro de dois ou três meses, o que representa, para o trabalhador, seguir enfrentando a disparada dos preços com salários corroídos pela inflação - incluisive porque, segundo o acordo de 2020, foram reajustados apenas em janeiro passado, e por metade da inflação.

O SJPDF não ignora a situação econômica, mesmo porque nossa categoria convive com seus piores efeitos. Justamente em nome disso, aceitamos adiar a discussão do reajuste, desde que com uma contrapartida crucial para os jornalistas: um compromisso de estabilidade no emprego durante esse intervalo proposto pelos patróes.

Diante da negativa a essa garantia mínima, o sindicato alerta a categoria para a necessidade de mobilização e pressão. A resposta inicial a nossas reivindicações sinaliza que teremos pela frente, uma vez mais, uma negociação dura e prolongada. Embora as empresas contem com instrumentos legais como a Medida Provisória que permite reduzir salário e jornada ou mesmo suspender contrato de trabalho, sem necessidade de celebrar acordo com o sindicato, ainda assim a representação patronal se aferra ao fato consumado para protelar a negociação efetiva de um reajuste.

O SJPDF voltará à mesa, em junho, determinado a negociar avanços em cláusulas como a definição de medidas de proteção aos jornalistas nas condições da pandemia - outro tema no qual os trabalhadores têm urgência. Mas não deixará de frisar a necessidade incontornável de recompor o poder de compra de uma categoria que, definida como essencial por sua atividade, não tem o tratamento correspondente no que diz respeito à remuneração digna.

Receber notícias

RT @ficaebc: 📺📱📻 O deputado @enioverri, que também está conosco nesta luta, reforça a importância de uma empresa PÚBLICA de comunicação par…
24hreplyretweetfavorite
GDF volta a recusar vacina para jornalistas e radialistas -> Pela segunda vez no intervalo de seis meses o @Gov_DF,… https://t.co/xffhQ1L6la

Acesse o Site