Notícias
Publicado em Quinta, 09 Maio 2013 15:05
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

A segunda consulta às redações da data-base 2013 que ocorreu entre segunda e quarta-feira terminou com nova negativa da categoria à proposta dos patrões. Dos 291 jornalistas votantes, 210 (73%) foram contra à oferta das empresas e pela continuidade da negociação com a apresentação da contraproposta dos trabalhadores e 27% se manifestaram pelo fechamento do acordo. 

Na consulta, os jornalistas puderam escolher entre a terceira proposta patronal e a quarta proposta dos trabalhadores. As empresas ofereceram reajuste de 7,22% (o INPC), Participação nos Lucros e Resultados de 35% do salário-base com piso de R$ 1.280 e teto de R$ 1.950 e reajuste de 10% no auxílio-creche e seguro de vida (veja abaixo). 

Na nova contraproposta, os trabalhadores reduziram a reivindicação de aumento salarial de 10,22% para 9,02% (INPC de 7,22 + 1,8% de ganho real). O valor do auxílio alimentação também foi reduzido pra R$ 15,00 por dia (para quem ganha até 12 salários mínimos). A primeira proposta previa R$ 20,00 para este item.  No item Participação nos Lucros e Resultados (PLR), os trabalhadores mantiveram a proposta de aumento de 35% para 42% do salário contratual com horas extras, com teto de R$ 2.000,00 e mínimo de R$ 1.390,00.  

Na próxima sexta-feira, 10/5, representantes do SJPDF vão participar de  mais uma mesa de negociação com o Sindicato das Empresas de Televisões, Rádios, Revistas e Jornais do DF (Sinterj/DF). Nela, apresentarão a contraproposta.

Segundo Wanderlei Pozzembom, vice-presidente do SJPDF, o processo de negociação está sendo intenso. “Na próxima mesa de negociação tentaremos avançar, mas os patrões insistem em não discutir a questão do auxílio alimentação e de um reajuste maior”, afirma.

Na avaliação de Jonas Valente, secretário-geral do Sindicato, é preciso que a categoria se mobilize e mostre nas consultas que os patrões precisam melhorar a sua proposta. "Apenas com a sinalização da categoria conseguiremos ir além do que as empresas apontam como limite, o que é insuficiente para as demandas da categoria", defende. 

Confira a proposta da categoria e a contraproposta dos patrões

 

Proposta da Categoria

Proposta dos Patrões

Reajuste salarial

9,02% (INPC de 7,22 + 1,8% de ganho)

7,22%

Participação nos Lucros e Resultados (PLR)

42% do salário contratual com horas extras, com teto de R$ 2.000,00 e mínimo de R$ 1.390,00 (+13%).

35% do salário-base de 5 horas, com teto de R$ 1.950,00 (+8,33%) e mínimo de R$ 1.280,00 (+6,63%).

Auxílio-alimentação

R$ 15,00 por dia (para quem ganha até 12 salários mínimos)

         ____________

Auxílio-creche

R$ 339,00 por filho (13%)

R$ 330,00 por filho (+10%)

Seguro de Vida

R$ 11.300,00 para morte acidental e R$ 6.780,00 morte natural ou invalidez permanente

R$ 11.000,00 acidental e R$ 6.600,00 morte natural ou invalidez permanente (+10%)

Horas-extras

75% sobre a hora normal

Adicional de 70% para as duas primeiras horas e 65% para as demais (manutenção da regra atual)

Licenças a maternidade e a paternidade

6 meses e 30 dias, respectivamente

Mantem regra atual

Receber notícias

A PEC 32 não é só uma 'granada no bolso do servidor', é uma bomba atômica contra o Brasil #PEC32ContraoBrasil https://t.co/SkS7G4nh7H
6hreplyretweetfavorite
A reforma Administrativa não reduz a despesa pública, não diminui impostos nem taxas públicas, ela apenas facilita… https://t.co/LIu5hmCcNw
6hreplyretweetfavorite

Acesse o Site