Notícias
Publicado em Terça, 05 Dezembro 2017 17:48
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

O Sindicato dos Jornalistas do DF realiza mais uma assembleia com os jornalistas do Correio Braziliense nesta quarta-feira, 6/12, às 17h. Apesar de regularizar parte das pendências financeiras dos funcionários, a empresa ainda tem que responder sobre o cronograma aprovado pelos jornalistas na assembleia de 20/11. Atrasos no pagamento das notas free lanceres e falta de determinação de dia para pagar esses jornalistas são alguns dos problemas vivenciados pelos profissionais.  

Antes da assembleia desta quarta, representantes da diretoria do SJPDF irão se reunir com a empresa. As notas de outubro dos freelas deveriam ser pagas até 30 de novembro. A proposta apresentada pelo veículo de pagar os free lanceres nos dias 20 de cada mês foi recusada pelos profissionais. Eles reivindicam que as notas dos pagamentos de serviços prestados sejam quitadas no décimo dia do mês.

Outros problemas

Ocorreram atrasos de pagamento dos tíquetes dos jornalistas do veículo dos meses de setembro e outubro. Sendo que o veículo se comprometeu pagar esta última parcela até 30 de novembro.

Outra irregularidade enfrentada na redação foi o atraso dos salários de outubro dos editores e dos gerentes. A empresa sanou uma parte da dívida com esses trabalhadores e o restante era para ter sido quitado em 30 de novembro.

Reuniões de acompanhamento

As reuniões entre a empresa, o Sindicato e a Comissão dos Jornalistas foram retomadas. O primeiro encontro será amanhã, 6 de dezembro.

FGTS

A regularização do FGTS é um problema que se arrasta há mais de três anos na empresa, depois de repetidas cobranças junto ao jornal, o Sindicato entrou, recentemente, com uma reclamação trabalhista contra o jornal. Ela solicita que o veículo regularize o FGTS dos empregados ativos e dos que já saíram da empresa. Outro item cobrado é o dano moral em decorrência da inexistência dos depósitos.

Histórico

No ano passado, o Correio passou por dificuldades financeiras. A empresa não conseguiu pagar na data certa a diferença salarial retroativa da Convenção Coletiva de Trabalho 2015/206 e a Participação nos Lucros e Resultados. Foram realizadas várias reuniões e assembleias no primeiro semestre de 2016. Frente à proposta de parcelamento dessas duas pendências e do não pagamento dos jornalistas free lancers, os profissionais da redação realizaram duas paralisações históricas em junho do ano passado. Os movimentos serviram para pressionar o jornal para revolver as irregularidades.

Correio Braziliense anuncia que irá congelar férias dos funcionários. https://t.co/wpBmDokzEh https://t.co/yHaQLIFFMr
DF será representado por cinco delegados no Enjai e no Congresso Extraordinário dos Jornalistas - SJPDF.… https://t.co/9MGSVGb5QN

Receber notícias

Acesse o Site