banner sindi 55

Notícias
Publicado em Terça, 29 Maio 2018 17:52
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Embora as reuniões de negociação tenham se iniciado em 17 de abril, apenas em 9 de maio - mais de mês após o envio da pauta - o Sindicato das Empresas de TV, Rádios e Jornais (Sinterj) apresentou uma contraproposta concreta às reivindicações dos trabalhadores. Desde então, o Sindicato dos Jornalistas do DF vem dialogando para avançar em uma proposta que atenda aos anseios da categoria. Infelizmente, o sindicato patronal não avançou o necessário para uma proposta de consenso entre as duas partes e preferiu encaminhar uma pauta própria para os jornalistas. Para avaliar esse cenário, o SJPDF convoca a categoria para assembleia-geral, que ocorrerá na próxima terça-feira, 5 de junho, com primeira chamada às 19h30.

A proposta patronal prevê reajuste de 2% no salário, no piso e no seguro de vida. No PPR/Abono as empresas chegaram aos valores do acordo de 2017, com R$1650,00 no piso e R$1900,00 no teto, mas parcelando o pagamento até fevereiro de 2019. O reajuste do auxílio-alimentação passaria para R$300,00, sendo pago em dezembro de 2018.

As empresas ainda concordaram que a diminuição de 30 minutos da intrajornada e a divisão das férias em três parcelas sejam feitas em comum acordo com os trabalhadores. A proposta do sindicato patronal é que a Convenção Coletiva de Trabalho seja de dois anos, com revisão das cláusulas econômicas em 2019, em negociação com mais seis cláusulas de cada parte.

O Sindicato dos Jornalistas avalia como prejudicial para a categoria a proposta das empresas de ampliação da compensação de horas extras para 180 dias - atualmente são 90 dias. O Sinterj ainda propõe que as rescisões contratuais não sejam, sequer, informadas ao SJPDF, o que também configura um retrocesso para a categoria.

Os representantes dos jornalistas ainda questionaram, na reunião, a aplicação das regras previstas na reforma trabalhista de não computar o período de deslocamento na jornada, chamado de horas "in tineres". Representando outro retrocesso, as empresas também negaram manter a cláusula de contribuição assistencial vigente, apresentando uma proposta que não reconhece a decisão em assembleia deste aporte da categoria ao Sindicato.

Para Wanderlei Pozzebom, coordenador-geral do SJPDF, faltou interesse, por parte dos representantes dos patrões, em construir uma proposta de consenso para beneficiar a categoria dos jornalistas. "Reconhecemos o avanço na mesa, mas é preciso desobstruir alguns debates para concluir essa negociação", afirmou.

Após a assembleia, o Sindicato deve reunir com os representantes patronais ainda na próxima semana, para levar uma resposta da categoria.

Jornalistas que trabalham com redes sociais devem ficar atentos ao crescimento do Instagram. Plataforma chegou a 1… https://t.co/3BnUY0okST
6hreplyretweetfavorite
Faltam 15 dias! Garanta o seu ingresso. https://t.co/BlnQluOo5N

Receber notícias

Acesse o Site