Notícias
Publicado em Terça, 29 Maio 2018 17:52
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Embora as reuniões de negociação tenham se iniciado em 17 de abril, apenas em 9 de maio - mais de mês após o envio da pauta - o Sindicato das Empresas de TV, Rádios e Jornais (Sinterj) apresentou uma contraproposta concreta às reivindicações dos trabalhadores. Desde então, o Sindicato dos Jornalistas do DF vem dialogando para avançar em uma proposta que atenda aos anseios da categoria. Infelizmente, o sindicato patronal não avançou o necessário para uma proposta de consenso entre as duas partes e preferiu encaminhar uma pauta própria para os jornalistas. Para avaliar esse cenário, o SJPDF convoca a categoria para assembleia-geral, que ocorrerá na próxima terça-feira, 5 de junho, com primeira chamada às 19h30.

A proposta patronal prevê reajuste de 2% no salário, no piso e no seguro de vida. No PPR/Abono as empresas chegaram aos valores do acordo de 2017, com R$1650,00 no piso e R$1900,00 no teto, mas parcelando o pagamento até fevereiro de 2019. O reajuste do auxílio-alimentação passaria para R$300,00, sendo pago em dezembro de 2018.

As empresas ainda concordaram que a diminuição de 30 minutos da intrajornada e a divisão das férias em três parcelas sejam feitas em comum acordo com os trabalhadores. A proposta do sindicato patronal é que a Convenção Coletiva de Trabalho seja de dois anos, com revisão das cláusulas econômicas em 2019, em negociação com mais seis cláusulas de cada parte.

O Sindicato dos Jornalistas avalia como prejudicial para a categoria a proposta das empresas de ampliação da compensação de horas extras para 180 dias - atualmente são 90 dias. O Sinterj ainda propõe que as rescisões contratuais não sejam, sequer, informadas ao SJPDF, o que também configura um retrocesso para a categoria.

Os representantes dos jornalistas ainda questionaram, na reunião, a aplicação das regras previstas na reforma trabalhista de não computar o período de deslocamento na jornada, chamado de horas "in tineres". Representando outro retrocesso, as empresas também negaram manter a cláusula de contribuição assistencial vigente, apresentando uma proposta que não reconhece a decisão em assembleia deste aporte da categoria ao Sindicato.

Para Wanderlei Pozzebom, coordenador-geral do SJPDF, faltou interesse, por parte dos representantes dos patrões, em construir uma proposta de consenso para beneficiar a categoria dos jornalistas. "Reconhecemos o avanço na mesa, mas é preciso desobstruir alguns debates para concluir essa negociação", afirmou.

Após a assembleia, o Sindicato deve reunir com os representantes patronais ainda na próxima semana, para levar uma resposta da categoria.

O jornal mais uma vez desrespeita a Convenção Coletiva e vem atrasando os pagamentos da participação nos lucros (PL… https://t.co/83BhR6n70h
Com o tema central: "As fake news também mudam a Sua história", o 35º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo tem ins… https://t.co/FBvlE42Qu4

Receber notícias

Acesse o Site