PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Na última quinta (1/11), ocorreu a segunda reunião de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). No mesmo dia, os trabalhadores deram início aos trabalhos do Comitê de Defesa da EBC.

Na reunião do ACT, a empresa apresentou sua posição inicial sobre as cláusulas do acordo. A direção da EBC não aceitou nenhuma proposta de mudança apresentada pelos trabalhadores e ainda diz querer negociar o texto de diversas cláusulas sociais, mas não apresentou o teor. As cláusulas econômicas (salário, ajuda alimentação, auxílio para pessoas com deficiência e auxílio creche) ainda serão discutidas.

A EBC já afirmou que quer rediscutir as cláusulas do auxílio previdenciário (26), acúmulo e desvio de função (30), escala de trabalho e folgas (45), abono de faltas (47), férias (49), negociação (66) e multa por descumprimento (69). A empresa propôs a continuidade do texto vigente do ACT para as demais cláusulas. As outras sete cláusulas novas propostas pelos empregados também já foram negadas pela empresa.

As próximas reuniões de negociações do ACT estão marcadas para os dias 7, 9 e 13 de novembro. O acordo foi prorrogado até o dia 30 de novembro. Confira a pauta completa apresentada pelos trabalhadores: http://bit.ly/actebc18 .

Comitê em Defesa da EBC

O Comitê criado pelos trabalhadores para a defesa da EBC como empresa de comunicação pública realizou sua primeira reunião em Brasília no dia 1/11. A proposta é organizar os trabalhadores frente à ameaça de extinção/privatização colocada pelo novo governo de Jair Bolsonaro. O objetivo é dialogar com o governo, com parlamento e com a sociedade sobre a importância da EBC para o país.

Foram criados cinco grupos de trabalho para a execução de uma campanha em defesa da empresa pública de comunicação. O primeiro irá construir documentos e manifestos; o segundo irá fazer articulação política com o governo e com o Congresso; o terceiro articular com as entidades da sociedade civil; o quarto articular diretamente com ouvintes, leitores, telespectadores e a sociedade em geral; o quinto produzir conteúdos sobre a empresa.

A proposta é que todos os trabalhadores se mobilizem em defesa da empresa. Nesta terça (6), acontecem também reuniões do Comitê no Rio de Janeiro e em São Paulo. A próxima reunião em Brasília está marcada para quarta (7), às 13h, na escadaria sul da empresa.

Realizado em parceria com a jornalista Polianna Franco, editora do jornal Ceilândia em Foco, evento é destinado a j… https://t.co/vbrLDDSBdR
Marielle Franco, assassinada há exatos 8 meses, sabia exatamente da importância da comunicação pública para o país.… https://t.co/tubeQQZgaG

Receber notícias

Acesse o Site