assembleia unificiada

Notícias
Publicado em Segunda, 21 Setembro 2020 15:01
PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT

Desde 2016 os veículos e agências da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) vêm sofrendo com censuras e uso para fins de propaganda do governo. Porém, o problema se agravou sob a gestão Jair Bolsonaro. Apesar de ter prometido extinguir a empresa, o atual governo tem aproveitado o alcance do conglomerado de mídia pública para fins políticos, em detrimento da missão de servir aos interesses da sociedade, como preconizado em lei.

>> Confira o dossiê completo aqui!

Esta segunda edição do Dossiê Censura EBC traz como subtítulo “Inciso VIII”, que se refere ao artigo 2° da Lei nº 11.652, de criação da EBC, o que descreve os princípios a serem seguidos pela empresa de comunicação pública: “VIII – autonomia em relação ao Governo Federal para definir produção, programação e distribuição de conteúdo no sistema público de radiodifusão”.

O documento destaca casos em que houve cerceamento à liberdade de imprensa na empresa, gerando entraves ao cumprimento do princípio básico da instituição, que é produzir conteúdos de comunicação pública, voltados para o interesse da sociedade e que “contribuam para o desenvolvimento da consciência crítica das pessoas”, como consta na própria missão da EBC.

Para esta análise, foram consideradas pautas e matérias feitas entre janeiro de 2019 e julho de 2020. Ao todo, foram feitas 138 denúncias, o que representa cerca de dois casos de censura ou governismo por semana, no período analisado. Lembrando que foram contabilizados apenas casos concretos denunciados e que o medo de perseguição leva muitos colegas a não fazerem o registro.

As editorias mais censuradas foram Política e Direitos Humanos, com supressão de coberturas como as repercussões do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes e violação dos direitos indígenas, interdição de fontes para matérias, como Anistia Internacional e Human Rights Watch, e proteção excessiva a ministros e ao próprio presidente da República, com edição de falas para minimizar a gravidade de declarações oficiais.

O levantamento foi feito por um grupo de trabalho composto por representantes da Comissão de Empregados da EBC e dos sindicatos dos Jornalistas e dos Radialistas que representam os funcionários nas três praças da empresa (Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro). Seguindo o padrão da primeira edição, publicada em agosto de 2018, o grupo lançou um formulário on-line para que colegas dos diversos veículos, agências e mídias da EBC enviassem informações sobre as censuras que sofreram.

Os profissionais que fizeram as denúncias e os que se envolveram na elaboração do presente dossiê apresentam o resultado em defesa da comunicação pública e da verdadeira missão da EBC!

Serviço:
Dia 21/9 – 20h
Live de lançamento do 2º Dossiê Censura na EBC
Youtube do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF
http://abre.ai/lancamentodossieebc

Comissão de Empregados da EBC
Sindicatos dos Jornalistas DF, Rio e SP
Sindicatos dos Radialistas DF, RJ e SP
Federação Nacional dos Jornalistas

Receber notícias

Assembleia APROVA acordo salarial da CCT e garante REAJUSTE -> Ao fim de uma negociação prolongada e difícil, nas c… https://t.co/MCtZyelLD2
49mreplyretweetfavorite
O Brasil lidera ranking com as maiores quedas em classificação sobre LIBERDADE de EXPRESSÃO. O relatório da… https://t.co/x7Vyc9rEn1
23hreplyretweetfavorite

Acesse o Site